Do Púlpito

“Onde esse mundo vai parar”?

 

Era a expressão que minha mãe usava quando algo absurdo e fora do comum acontecia. Provavelmente ela repetia o que os seus pais falavam e essa expressão se originou em algum lugar no passado. Não se sabe quando foi dita pela primeira vez, mas sabemos que, ainda hoje, grita em nossas mentes quando nos deparamos com as aberrações que a nossa geração tem a infelicidade de contemplar. Com a globalização nos tornamos quase semideuses, as notícias nos chegam em tempo real e parece que somos oniscientes. Por um lado, é bom nos mantermos informados, mas por outro temos o desprazer de tomar conhecimento de tragédias climáticas e cataclismos, de guerras e atrocidades, de intolerâncias e racismo, de impunidade e o desejo de poder, sem falar de abusos contra a criança, a mulher e o idoso, da degradação da família, da destruição da juventude pelas drogas e da natureza prejudicada pela ganância do homem. Então, eu percebo que a minha mãe tinha razão quando respirava fundo e deixava escapar a expressão: “Onde esse mundo vai parar”?

Tudo tem um princípio e um fim, inclusive o mundo que vivemos. Certa vez, Jesus Cristo falou aos seus discípulos que era necessário que Ele morresse, ressuscitasse ao terceiro dia, subisse aos céus e, um dia, no Fim dos Tempos, voltasse para buscar a Sua Igreja, isto é, o Seu povo, os eleitos que O recebessem como Senhor, Salvador e Deus. Os discípulos, curiosos, logo perguntaram: “Quando isso acontecerá”? E Jesus lhes respondeu: (Mateus 24). Jesus deixou bem claro que o Dia exato só o Deus Pai sabia, mas, por outro lado, ele disse que alguns acontecimentos antecederiam esse Dia do Fim. O apóstolo Paulo, escrevendo ao seu discípulo Timóteo a respeito do comportamento do ser humano quando o Fim dos Tempos estivesse próximo, disse: II Timóteo 3:1-5.

Lendo essas referências bíblicas nos parece que o Senhor Jesus Cristo e o apóstolo Paulo estavam vendo a era que estamos vivendo, não é mesmo? Além dos sinais manifestos pela natureza (terremotos, erupções vulcânicas, secas, inundações, escassez de água, furacões, ciclones, tornados, tsunamis, tempestades, catástrofes ecológicas, incêndios florestais, aumento da temperatura, mudanças climáticas) temos os conflitos sociais: guerras, intolerâncias, racismo, terrorismo, drogas, epidemias, fome, etc. Além de tudo isso, Jesus disse que, na época do Fim, o amor se esfriaria no coração de muitos (ainda bem que não de todos) e isto temos visto em nossa sociedade. A Bíblia diz que Deus é amor e se torna cada vez mais nítida a dureza de coração do homem quando o assunto é Deus e a Sua Igreja; as pessoas têm uma rejeição natural. O mundo está cada vez mais distante do Criador.

Viver neste mundo não está nada fácil! Mais difícil ainda é conduzir nossa vida, nosso casamento, nossa família e nossos filhos neste mundo tão hostil e longe de Deus. Os valores da sociedade estão cada vez mais egoístas, mais centralizados no homem. As pessoas estão buscando o próprio bem-estar, a própria felicidade em detrimento do seu cônjuge, filhos, familiares, amigos etc. É nesse afã de satisfação pessoal que as pessoas matam, traem, violentam, estupram, roubam, enganam, mentem, praticam terrorismo e nem se importam com o próximo, com aquele ao seu lado que está sofrendo, que é mais frágil. Os homens estão olhando para o próprio ventre! O que fazer? Que rumo tomar? Como posso me conduzir e conduzir minha família para escapar desse mal? Volto a lembrar do questionamento que minha mãe fazia: “Onde esse mundo vai parar”?

O apóstolo Paulo, após dizer ao seu discípulo Timóteo sobre a impiedade do ser humano nos Tempos do Fim, o exortou a tomar um caminho oposto ao do mundo para que escapasse do mal; caminho este que o livraria de toda influência desse mundo tenebroso e o conduziria a uma vida de equilíbrio, paz, proteção e felicidade: II Timóteo 3:14-17.

Como vimos, o Fim dos Tempos está mais próximo do que imaginamos pelos sinais relevantes que temos percebido; e as perguntas que não querem calar são: O que devo fazer? Como preservar minha família e o meu casamento? Como livrar os meus filhos dos apelos da sociedade?

O segredo é conduzir a nossa vida e a nossa família nos preceitos de Deus, colocando a Palavra de Deus – as Escrituras – como alicerce em nossa construção de vida. Somente o Senhor Jesus, o nosso Deus, pode nos livrar do mal e nos conduzir por caminhos abençoados, nos livrando de toda forma do mal. Volte sua atenção para O Senhor, crie seus filhos na casa de Deus, conduza sua casa e seu casamento nos preceitos do Pai. Somente andando na contramão do mundo nós teremos segurança, proteção e paz. Procure uma igreja onde você possa congregar e aprender a Palavra de Deus.

Que Deus o abençoe com a decisão certa.

 

Bispo Luiz Paulo Cavalcanti – Igreja Cristã de Nova Vida em Botafogo - RJ