Falando Sério


E quando Deus não responde à oração?


O que devemos fazer quando estamos enfrentando um problema; oramos, oramos e oramos a Deus… mas não recebemos o que pedimos? Isso ocorre muitas vezes em nossa vida: simplesmente nossa oração não é atendida. Há um acontecimento na vida de Paulo que pode nos conduzir a uma reflexão interessante sobre o assunto, a famosa passagem do espinho na carne.


“Conheço um homem em Cristo que, há catorze anos […] foi arrebatado ao paraíso e ouviu palavras inefáveis, as quais não é lícito ao homem referir. […] E, para que não me ensoberbecesse com a grandeza das revelações, foi-me posto um espinho na carne, mensageiro de satanás, para me esbofetear, a fim de que não me exalte. Por causa disto, três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim. Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza” (II Coríntios 12:2-9).


O que diferencia essa experiência de Paulo da sua experiência pessoal?  O fato de que, no caso dele, Deus explicou. Essas palavras de Paulo fazem toda a diferença: “Então, ele me disse…”. Sim, o Senhor deu a ele uma explicação para o fato de não ter atendido seu clamor. E isso tirou do coração de Paulo toda a angústia que sente a pessoa que ora mas não é atendida. Havia uma explicação, mesmo que seu desejo não tivesse sido satisfeito. E essa é a grande diferença da experiência de Paulo para a sua: ele recebeu uma justificativa. Com você e comigo isso não acontece. Ninguém nos diz por que nosso pedido foi negado.


Deus decidiu em sua soberania que simplesmente não iria atender a oração de Paulo. Não teve nada a ver com falta de fé, ação do diabo, pecado não confessado, nada disso. Simplesmente o Senhor disse “não” à oração do apóstolo porque queria proteger seu filho amado de pecar pela soberba. E é precisamente o que ele faz conosco em muitas e muitas situações semelhantes. Nós oramos, clamamos, nos esgoelamos, mas não somos atendidos. E aí os “será” invadem nossa mente e ficamos angustiados, cheios de conjecturas, sofrendo, questionando: “Será que Deus não ouviu minha oração?”.


Claro que ouviu. Deus ouve todas as orações. E antes mesmo de orarmos ele já sabe o que vamos falar (Salmos 139:4). Essa ideia de que “Deus não ouve a oração” não é bíblica. O que acontece é que Ele decide não nos dar o que pedimos. Ouve, pondera e responde com um grande “não”. Ponto. A vantagem de Paulo é que o Senhor disse a ele que tinha escutado a oração mas não a atenderia. Conosco Ele não faz isso. Temos de nos contentar com o silêncio. O que pedimos não acontece. Ficamos impacientes, como se o Pai tivesse a obrigação de nos atender só porque oramos com fé.


Não há fé no mundo que altere a vontade soberana do Criador do universo


Se Paulo não tivesse recebido uma resposta de Deus, talvez partisse para a ação. É possível que orasse uma quarta vez, uma quinta, uma sexta, uma sétima. Talvez ficasse anos orando. E ficaria a ver navios, porque, apesar de sua inequívoca grande fé, Paulo estava debaixo da soberana vontade de Deus – e, para aquela oração, a resposta da soberania divina era “não”. Se Paulo fosse um crente temperamental ou imaturo, ele poderia “ficar de mal” com o Senhor ou até mesmo se desviar da fé. Não é o que muitos de nós fazemos? Como não recebemos de Deus o que pedimos o largamos para lá? Ou então tomamos as rédeas da situação e agimos pela força da nossa mão?  O silêncio de Deus ante uma oração, não atendida é a maneira de o Senhor nos mostrar quem nós somos: se perseverantes, servis, fiéis, homens e mulheres de fé, murmuradores, interesseiros, compromissados… ou não.


Tenho visto que o problema maior entre nós, cristãos, não é Deus não atender nossas orações, mas Ele não respondê-las. Como o silêncio divino é a regra, isso nos tira do sério. O caminho para permanecermos inabaláveis na nossa fé e no relacionamento com o Senhor é sabermos que Ele está agindo por trás do véu do silêncio. Se confiarmos Nele, isso nos conformará e confortará. “Entrega o teu caminho ao Senhor, confia Nele, e o mais Ele fará” (Salmos 37:5). Se não confiarmos… é hora de repensarmos todo o nosso relacionamento com o Senhor, porque estamos muito longe de entendê-lo.


Deus vai negar muitos dos teus pedidos. Mas tenha a certeza: isso não significa que Ele não ouviu tua oração. Foi exatamente o que aconteceu com Paulo. É o que acontece conosco. Num caso raro, o apóstolo foi presenteado com uma explicação de Deus. Nós não. Diante disso, o nosso papel é orar, perseverar em oração e esperar com paciência.

 

Paz a todos vocês que estão em Cristo, 

Maurício Zágari

http://facebook.com/mauriciozagariescritor