Pra Pensar

A Parábola do Copo D’água

Existia um copo. Copo simples, aparentemente como todos os outros. Mas a sua história viria a ser transformada para sempre, antes mesmo que ele pudesse perceber.


Ele buscava ser útil. Sonhava com isso. Procurando o motivo de sua existência - e como poderia vir a servir? Um belo dia, O Provedor o escolheu. Naquele mesmo instante o copo deixou de se sentir como os outros e viu que era um copo especial, um copo escolhido pelo Provedor.


Então, O Provedor começou a encher o copo com a Sua água. O copo nunca havia se sentido tão feliz, especial e útil. Foi um momento inesquecível. Conforme a vontade do Provedor, o copo era preenchido aos poucos – só que isso não agradava ao copo. Isto o intrigava, o fazia querer questionar ao O Provedor o porquê de estar agindo desta maneira. Queria estar rapidamente abarrotado com água e começar a servir. E com isto passaram-se anos...


O copo continuava amargurado, triste, e descartando todo o potencial que possuía. Ao ficar se sentindo inútil acabou por deixar servir a muitos que estavam ao seu alcance, visando sempre estar cheio para começar a servir. E O Provedor mesmo observando isto continuou provendo, acreditando que o copo ao ser completado com água começaria a servir. Um belo dia… o copo ficou cheio! Ele não aguentava tanta alegria! O seu sonho se tornou realidade!


Então algo aconteceu! Apesar de o copo ter começado a servir, a partir do momento em que estava cheio não conseguia comportar a quantidade de água que O Provedor continuava a fornecer. E a água começou a transbordar. Foi-lhe dada à oportunidade de ser incrementado pelo Provedor e virar uma jarra, mas ele a recusou. Recusou, pois pensava ser obrigação da água lutar para se manter dentro dele. Até tentou coletar parte da água transbordada, mas esta já havia sido vítima das irregularidades do solo, pelas quais caiu e não pode ser recuperada.


O Provedor lhe deu mais uma oportunidade de crescimento. O copo poderia ser incrementado, começar a comportar uma maior quantidade de água e servir ainda mais. Novamente, este não aceitou o convite. Pensava que estava dando tudo certo, vivia feliz, servia, contudo, entendia que a água estava sendo rebelde em transbordar dele. Não enxergava que a sua atitude contrariava ao que O Provedor havia instituído ao lhe escolher.

E então, O Provedor parou de prover.

Porque muitos são chamados, mas poucos, escolhidos (Mateus 22:14).